Por onde for…

Ainda hoje o mesmo sonho acompanha as minhas noites de sono.

Desde a infância me vejo correndo, correndo, correndo…  até minhas pernas paralisarem por completo e eu me tornar imóvel.

Nunca descobri do que corria na verdade, ou ‘de quem’.

Fato é que desde a infância foram tantos temores, tantas angústias que já nem sei mais. Perdi-me em meio a busca por fundamentos… mas de certo, a mesma cena nunca me deixou em paz.

Há tempos venho a seguir uma busca incessante por algo que me satisfaça.

Nunca tive pleno sucesso.

Hoje, após 28 voltas completas ao redor do sol e após tantas coisas que carreguei comigo pelo caminho, nada me satisfaz por completo.

Aos amores deixados, terminados, abandonados e esquecidos… já nem sei.

Aos meus sonhos, aos aprendizados…

Em tudo o que aprendi com o teatro ou pela música, em poesia ou em arte em excesso, ou até pelo Direito… já nem sei.

Vejo hoje na fotografia algo que me faz ver um pouco de sentido nos meus pensamentos, mesmo que seja inexplicável para terceiros.

Mesmo que não seja o ‘completo’. Vejo 80 % de mim através dela.

Vejo uma abertura na porta para o meu ‘mundinho particular’, onde poucos recebem ‘an invitation’.

Vejo, na verdade, muito além.

Sempre tive a dificuldade de fincar os pés no chão, como boa pisciana que sou. Acho que talvez a minha necessidade sempre fora a de fazer com que eles voassem cada vez mais alto e cada vez mais longe…

Através dos meus olhos tento transparecer um pouco da loucura que fervilha em minha mente, deixar vazar o excesso de sentidos, de vontades, de razão disfarçada, fingida… Isso é libertador.

E em uma mente que se afoga em idéias produzidas em milésimos de segundos, poder materializá-las de alguma forma talvez seja o caminho… talvez seja o meu caminho de busca.

Na verdade, em todos esses anos, eu sempre soube de quem eu fugia naquele sonho… de ninguém além de mim mesma.

Continuo a fugir, talvez… mas pretendo dar meia volta e ao invés de deixar que minhas pernas me paralisem, vou fazer com que elas caminhem de volta… para casa.

Ou pelo menos vou morrer tentando.

Nada será como antes

I’m ready to start.

*Leli

3 Comentários (+adicionar seu?)

  1. nadacomoantes
    mar 15, 2011 @ 19:18:49

    Responder

  2. livetc
    abr 10, 2011 @ 01:17:12

    Seus textos são maravilhosos! Amei! =)

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: